Cotação Seguro de Vida

Olá, sou o gentil, quero conhecer um pouco de você.

É rápido, basta preencher os dados abaixo e selecionar a forma de atendimento.

Cotação Seguro Residencial

Olá, sou o gentil, quero conhecer um pouco de você.

É rápido, basta preencher os dados abaixo e selecionar a forma de atendimento.

Cotação Seguro Empresarial

Olá, sou o gentil, quero conhecer um pouco de você.

É rápido, basta preencher os dados abaixo e selecionar a forma de atendimento.

Cotação Seguro Automóvel

Olá, sou o gentil, quero conhecer um pouco de você.

É rápido, basta preencher os dados abaixo e selecionar a forma de atendimento.

Cotação Seguro Pessoal

Olá, sou o gentil, quero conhecer um pouco de você.

É rápido, basta preencher os dados abaixo e selecionar a forma de atendimento.

Foto: Foto: Boris Roessler/picture alliance via Getty Images Fonte: Sonho Seguro

Seguradoras pagam US$ 120 bilhões por catástrofes naturais em 2021, revela estudo da Munich Re

As sociedades precisam se adaptar urgentemente aos crescentes riscos climáticos e fazer da proteção do clima uma prioridade, afirma Torsten Jeworrek, membro do Conselho de Administração da resseguradora alemã
10/01/2022

Em todo o mundo, os desastres naturais causaram perdas substancialmente maiores em 2021 do que nos dois anos anteriores. Com base em dados provisórios, tempestades, inundações, incêndios florestais e terremotos causaram perdas no valor de US$ 280 bilhões. As perdas no ano anterior foram de US$ 210 bilhões, enquanto em 2019 foram de US$ 166 bilhões. Cerca de US$ 120 bilhões em perdas estavam segurados, o que também foi mais do que nos dois anos anteriores (2020: US$ 82 bilhões, 2019: US$ 57 bilhões), revela estudo da Munich Re divulgado nesta segunda-feira, 10 de janeiro.

O gap de seguro, ou seja, a parcela não segurada, diminuiu ligeiramente devido a uma proporção maior de perdas nos EUA, mas ainda era de aproximadamente 57%. Quase 10.000 pessoas perderam a vida em desastres naturais em 2021, um número de mortos comparável ao dos últimos anos.

Juntamente com 2005 e 2011, o ano de 2021 provou ser o segundo mais caro de todos os tempos para o setor de seguros (ano recorde de 2017: US$ 146 bilhões, ajustado pela inflação) – as perdas gerais de desastres naturais foram o quarto maior até a data (ano recorde de 2011: US$ 355 bilhões).

O furacão Ida foi o desastre natural mais caro do ano, com perdas globais de US$ 65 bilhões (perdas seguradas de US$ 36 bilhões). Na Europa, enchentes repentinas após chuvas extremas causaram perdas de US$ 54 bilhões (€ 46 bilhões) – o desastre natural mais caro já registrado na Alemanha.

Muitas das catástrofes climáticas se encaixam nas consequências esperadas das mudanças climáticas, tornando uma maior preparação para perdas e proteção climática uma questão de urgência.

“As imagens de desastres naturais em 2021 são preocupantes”, afirma Torsten Jeworrek, membro do Conselho de Administração da resseguradora alemã. “A pesquisa climática confirma cada vez mais que as condições meteorológicas extremas se tornaram mais prováveis. As sociedades precisam se adaptar urgentemente aos crescentes riscos climáticos e fazer da proteção do clima uma prioridade. As seguradoras cumprem suas responsabilidades cobrindo uma parte dos riscos e perdas. Ao aplicar prêmios adequados ao risco, eles colocam um preço nos perigos naturais, encorajando assim um comportamento cuidadosamente considerado para limitar as perdas. Ao mesmo tempo, severas erupções vulcânicas e terremotos em 2021 mostraram que também não devemos ignorar essas categorias de desastres naturais.”

Categorias: Seguros

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© Gente Seguradora - 2024 - Todos os direitos reservados.
× Como posso te ajudar?