Trabalhe com a Gente

Olá, sou o gentil, quero conhecer um pouco de você.

É rápido, basta preencher os dados abaixo e selecionar a forma de atendimento.

Cotação Seguro de Vida

Olá, sou o gentil, quero conhecer um pouco de você.

É rápido, basta preencher os dados abaixo e selecionar a forma de atendimento.

Cotação Seguro Residencial

Olá, sou o gentil, quero conhecer um pouco de você.

É rápido, basta preencher os dados abaixo e selecionar a forma de atendimento.

Cotação Seguro Empresarial

Olá, sou o gentil, quero conhecer um pouco de você.

É rápido, basta preencher os dados abaixo e selecionar a forma de atendimento.

Cotação Seguro Automóvel

Olá, sou o gentil, quero conhecer um pouco de você.

É rápido, basta preencher os dados abaixo e selecionar a forma de atendimento.

Cotação Seguro Pessoal

Olá, sou o gentil, quero conhecer um pouco de você.

É rápido, basta preencher os dados abaixo e selecionar a forma de atendimento.

Fonte: Sincor-SP

Alta do dólar e coronavírus afetam mercado de seguros

Carta de Conjuntura do Setor de Seguros aponta que a valorização do dólar frente ao real e a pandemia do novo coronavírus vão atingir economia e o setor
26/03/2020

A última edição da Carta de Conjuntura do Setor de Seguros, realizada pelo Sindicato das Empresas de Seguros e Resseguros (SindsegSP) e pelo Sindicato de Empresários e Profissionais Autônomos da Corretagem e da Distribuição de Seguros do Estado de São Paulo (Sincor-SP), traz expectativas pouco positivas. A valorização do dólar frente ao real e o avanço do coronavírus tornam o cenário futuro incerto.

Nos últimos meses, o dólar teve valorização de mais de 20%, apresentando uma cotação acima de R$ 4,50, durante o mês de fevereiro, e atingindo o valor acima de R$ 5, em 16 de março.

“A alta da moeda pode ser atribuída tanto a incertezas no cenário político e econômico do País quanto ao impacto da disseminação do novo coronavírus (Covid-19) pelo mundo”, diz o editorial assinado pelos presidentes das entidades , Rivaldo Leite (SindsegSP) e Alexandre Camillo (Sincor-SP).

Na análise dos primeiros meses do ano, o estudo aponta que o setor já faturou pouco mais de R$ 10 bilhões, sem contar os ramos de saúde e DPVAT. “Os dados de 2020 só correspondem ao primeiro mês do ano, que não captaram os efeitos do coronavírus em toda a sua intensidade”, diz a Carta.

Já na separação dos ramos, o de pessoas continua a liderar, visto que conseguiu um avanço de 11%, enquanto os ramos elementares registraram crescimento de 5%, em relação ao mesmo mês do ano passado.

O estudo ainda ressalta que é difícil prever o cenário para os próximos meses, mas aponta dois efeitos. Primeiro, na área de saúde, já que os custos vão aumentar, e no seguro de vida, uma vez que dependerá de quais faixas etárias serão as mais afetadas. E segundo, em contraponto, alguns ramos podem sofrer efeito inverso como, por exemplo, menores taxas de sinistros de automóvel.

De forma indireta, o setor de seguros será atingido pela menor produção e queda no PIB nos países. As expectativas de crescimento nesse ano (e talvez do próximo) já começarão a ser ajustadas.

Clique aqui para ler a Carta de Conjuntura.

© Gente Seguradora - 2019 - Todos os direitos reservados
Phurshell
× Como posso te ajudar?